terça-feira, 18 de maio de 2010

Espelho do mundo


Eu, espelho do mundo,
reflito sobre as coisas
que estão ao meu redor.
Tudo acontece e eu estou parado
no meio desse tiroteio de informações.
Tanta coisa há para fazer
que eu nem sei por onde começar.
Na verdade, nem comecei
e já quero parar.
Se pudesse, encurtaria o caminho
e ainda o virava do avesso.
Começaria do fim e terminaria no começo.
Tudo assim, tão rápido, tão prático.
Como se num relâmpago pudesse tudo ver
e num piscar de olhos,
viesse a cegueira total.

4 comentários:

  1. Um poema universalista...
    É encantador.
    posso escrever no meu caderno?
    (risos)

    ResponderExcluir
  2. quem há de negar que um piscar de olhos é a cegueira total?

    ResponderExcluir
  3. Mas tá reflexivo o menino heim ?!?!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget